Arquivo da categoria: Literatura

Só-mente

Eu ensaiei esse texto dezenas de vezes na minha cabeça antes de escrevê-lo. E tentei ter muitas desculpas para não fazer com que ele nascesse, viesse ao mundo e deixasse de ser meu. Como um filho do cérebro, como Atena … Continuar lendo

Publicado em Divagações, Infausto mundo de Andréa, Literatura, Solidão | Deixe um comentário

O anjo Gibreel

Como a novidade penetra no mundo? Como é que nasce? De que fusões, transformações, conjunções é feita? Como sobrevive, extrema e perigosa como é? Que concessões, que acordos, que traições de sua natureza secreta tem ela de fazer para repelir a … Continuar lendo

Publicado em Leitura, Literatura, Livros | Marcado com , | Deixe um comentário

Capítulo CXVII

Era uma vez uma choupana que ardia na estrada; a dona, — um triste molambo de mulher, — chorava o seu desastre, a poucos passos, sentada no chão. Senão quando, indo a passar um homem ébrio, viu o incêndio, viu a mulher, perguntou-lhe … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , | Deixe um comentário

Capítulo LXXI

Deixou-se estar na cama, e fechou os olhos para ver melhor.

Publicado em Literatura | Marcado com , | Deixe um comentário

Indizível

estou a referir-me a algo que as palavras jamais poderão exprimir, relativo, absoluto, cheio, vazio, ser ainda, não ser já, que é isso, senhor director, porque as palavras, se o não sabe, movem-se muito, mudam de um dia para o outro, … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , | Deixe um comentário