Papel de rascunho

Encontrar textos antigos é sempre estranho. Palavras diferentes, idéias desatualizadas, registro de um mundo que já não existe… Imagine quando esse texto antigo é seu próprio? Isso sempre ocorre comigo, quando decido arrumar meu quarto (arrumar de verdade). Meu dormitório é qualquer coisa cheia de folhas rascunhadas.

Se eu escrevo algo fora de contexto, posso dizer que é sem texto, ou melhor sentexto? Preciso aprender a me expressar, a transformar a ambigüidade, se não em clareza, ao menos em liberdade, riqueza de possibilidades, não em conflito. Ok, o mundo das palavras não é muito meu. Deixo quase uma folha toda em branco, para que outra pessoa escreva algo mais interessante.

Andréa, outubro de 2006

Sobre Andréa Maciel

Paulista nordestina naturalizada recifense e entendedora do português lusitano. Estuda Comunicação Social - e adora a comunicação justamente por isso, porque é Social. Acredita em um mundo mais bonito. Acredita em todas as belezas.
Esse post foi publicado em Diário e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Papel de rascunho

  1. Diogo disse:

    Mas o estilo é ainda semelhante ao de hoje!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s