Sem vó e cansada

Há uma emoção especial quando digo que Portugal me parece uma casa de vó. O meu imaginário sempre invejou os netos cheios de mimos, que vão à casa dos patriarcas e matriarcas. Queria correr com os primos ao redor de mesas cuidadosamente recheadas de quitutes com gosto de Natal ou Páscoa, e esbarrar nos tios, e me esconder atrás dos cabelos brancos dos avós… Não pude. Aqui, no pequenino apartamento da Rua Ibimirim, as mesas sempre tiveram apenas 4 cadeiras, ocupadas por mim, meu irmão e meus pais, companheiros em silenciosas (solitárias?) ceias.

Uma casa de vó sempre foi distante de mim. E Portugal também parece cada vez mais longe. O meu visto de estudante ainda não saiu. Viajo no domingo, dia 16, sem nenhuma segurança, como turista. Depois de várias idas ao aeroporto, ao banco, ao consulado, à universidade, só me vêm à cabeça dores, intensas dores; nenhuma solução à vista, à prazo ou aprazível.

Anúncios

Sobre Andréa Maciel

Paulista nordestina naturalizada recifense e entendedora do português lusitano. Estuda Comunicação Social - e adora a comunicação justamente por isso, porque é Social. Acredita em um mundo mais bonito. Acredita em todas as belezas.
Esse post foi publicado em Viagem e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s