Procura poética

Amo O Poema, mas não sei fazer poesia… Aí fui perguntar a Drummond o que fazer. E ele me respondeu assim:

 

“Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam.
Espera que cada um se realize e consuma
com seu poder de palavra
e seu poder de silêncio.

Não forces o poema a desprender-se do limbo.
Não colhas no chão o poema que se perdeu.
Não adules o poema. Aceita-o
como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada
no espaço.

Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?”

Ouçam o poeta vocês mesmos.

Sobre Andréa Maciel

Paulista nordestina naturalizada recifense e entendedora do português lusitano. Estuda Comunicação Social - e adora a comunicação justamente por isso, porque é Social. Acredita em um mundo mais bonito. Acredita em todas as belezas.
Esse post foi publicado em Diário, Poesia e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Procura poética

  1. asadebaratatorta disse:

    Esse cara disse tudo. Poesia lembra muito cultivo. Vou dar uma idpeia de cultivo baseada num outro mestre da poesia:

    DESENCANTO

    eu faço versos como que chora
    de desalento… De desencanto…
    Fecha o meu livro se, por agora,
    não tens nenhum motivo de pranto.

    Meu verso é sangue, volúpia ardente… Tristeza esparsa… remorso vão…
    Dói-me nas veias. amargo e quente,
    cai, gota a gota, do coração.

    E nestes versos de angústia rouca
    assim dos lábios a vida corre,
    deixando um acre sabor na boca,
    eu faço versos como quem morre.

    Manuel Bandeira. Teresópolis, 1912.

  2. Rafael Sotero disse:

    Ah, canta Strangers in the Night no pé do ouvido do poema que ele se derrete todo!

    Talvez por isso eu prefira a boa e velha prosa, mas acho que isso não tem nada a ver com a frase anterior, hohoho.

  3. Paulo Motta disse:

    No seu legado, Drummond nos deixa um manual de fazer poesia. Assim como o faz Manuel Bandeira. Então, vamos poetizar, galera! A poesia ainda é tão distante… =/

  4. Andréa disse:

    por sinal, rafael- barata, agora manuel e o pneumotórax são paisagem desse blog… ^^ boa lembrança!

    e rafael-cientista, já estou ensaiando strangers in the night… até agora, acho q n dá pra conquistar O Poema – talvez, no máximo, algum Poema satírico… Mas O Poema, ainda n… ^^ mas boa lembrança tb!

    e paulo, mais um por um mundo mais um levantando Bandeira e a bandeira de um mundo poético! ^^

    Beijos a todos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s