Uma Arte

A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério

por muito que pareça (Escreve!) muito sério.

(De Elizabeth Bishop. Tradução de Paulo Henriques Britto)
(O texto original está na postagem anterior)

Anúncios

Sobre Andréa Maciel

Paulista nordestina naturalizada recifense e entendedora do português lusitano. Estuda Comunicação Social - e adora a comunicação justamente por isso, porque é Social. Acredita em um mundo mais bonito. Acredita em todas as belezas.
Esse post foi publicado em Poesia e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para Uma Arte

  1. asadebaratatorta disse:

    Belo poema! ;D

  2. tempodemorangos disse:

    Nossa! Muito bom! ^^

  3. Desassossegos de um verão disse:

    Quando eu era criança, de fato até uns 16 anos, eu tinha um diário e só depois que o deixei de lado percebi o quanto ele me faz falta. Resolvi voltar a escrevê-lo. Mas escrever num caderninho é num tempo da minha infância mesmo, em os jornalistas ainda usavam máquina de escrever, por isso decidir escrever num blog, que além de ser mais chique, posso “interagir” (adoramos essa palavra) com as pessoas. Quando vi esse modelo, achei que tinha muito a ver. O que eu escrevo aqui é velho, por mais que seja o que eu sinto há um minuto atrás. Mas depois de um minuto não estou sentindo a mesma coisa. O layout é só pra reforçar essa idéia de que o que passou, amarelou e, por mais que tenha se ‘eternizado’ pela escrita, não volta mais. Bjos amiga
    ps: Me alertasse tarde demais. Ja estou viciada!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s