Je ne regrette rien

Edith Piaf me soa tão confiante quando diz que não se arrepende de nada… Talvez isso pode-se chamar minha atenção se estivesse em dias amenos. Não estou. Então foi um pequeno detalhe (como se os detalhes já não fossem suficientemente pequenos!), foi um pequeno detalhe que atraiu meus olhos… Uma mísera palavrinha: chagrin.

Como é perfeito ver a nossa língua roçar as línguas alheias. Como é lindo o encontro da língua de Camões com a língua dos amores. Chagrin. Romance impossível! Chagrin não tem tradução. “Mas o que é isso, professor?”, eu perguntei. Ele respondeu: tristesse d’amour

E quem disse que o que eu sentia não tinha definição? Eu achei!
L o n g e.
Mas achei. Chagrin. Não tem tradução, mas estava dentro de mim, esperando a nova língua velha para ganhar o mundo. “Mas é só uma palavra!” Não, não é: pode perguntar, leitor, pode perguntar tolos, como o meu…

Chagrin.

Anúncios

Sobre Andréa Maciel

Paulista nordestina naturalizada recifense e entendedora do português lusitano. Estuda Comunicação Social - e adora a comunicação justamente por isso, porque é Social. Acredita em um mundo mais bonito. Acredita em todas as belezas.
Esse post foi publicado em Diário, Música e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s